Seguidores da Ocupação

quarta-feira, 23 de junho de 2010

OCUPAÇÃO REALIZA FORRÓ DOS ASTISTAS EM VALENÇA


As aspirações eram audaciosas. Realizar um evento marcante para finalizar mais um semestre de Ocupações Culturais. Comemorar um ano e meio do projeto e ainda relembrar os antigos festejos junino. O velho São João com fogueiras nas portas, com os compadres visitando as comadres... Enfim, como o próprio convite anunciava “nestes tempos em que vivemos com saudades da “Terra de Paz”, está na hora de sairmos à rua. Nos aquecermos na fogueira e fazer um animado forró! Vamos levantar poeira!(...) É hora de re-encontrar amigos. Convidar os que ainda não compareceram... Juntos faremos um bonito arraiá onde os pipocos ouvidos serão dos fogos que soltaremos, o fogo será da fogueira que acenderemos e quadrilhas apenas apresentarão passos de dança. As batidas? Tomaremos todas, de todos os sabores: jenipapo, tamarindo, cacau, jabuticaba, etc”.
A tarefa era grande! Os recursos, poucos. Mas muito maior eram a vontade e a persistência. E mesmo com recusas, portas fechadas e promessas não cumpridas... Chegou finalmente o grande dia. Aos poucos, ao som de Luiz Gonzaga, o Centro de Cultura começou a ser re-ocupado. Na entrada, uma fogueira e bandeirolas recebiam os que chegavam. Na “mesa da partilha”, amendoins, munguzá, milho, licores e outras iguarias...
Na abertura do evento, Adriano desejou as boas vindas e ressaltou a importância do projeto. “Não quero me repetir. Mas não tem sido fácil manter esse projeto. No entanto, resolvemos manter, pelo menos até hoje por que temos colhidos bons frutos daqui. O número de artistas que têm sido descobertos, os que voltaram a produzir, a rede que estamos criando tendo este espaço como ponto de encontro, é o que nos faz não desistir. Sobre o futuro da Ocupação, ainda não sabemos. Veremos nos próximos meses, mas quero deixar bem claro que este espaço não é meu. E vai depender muito de cada artista ocupá-lo como antes ampliando-o como os que aqui estão hoje”- finalizou emocionado, recitando versos da poetisa valenciana Amália Grimaldi relembrando tempos em que “a loja do Seu Gentil, situada na rua Direita do calçadão era a Vox Populis da sociedade valenciana”.
Foi o clima necessário para o próximo ocupante, Otávio Mota, assumir os microfones declarando que lembrou-se do tempo em que havia trabalhado na referida loja, o que provocou uma intervenção da platéia onde Mustafá Rosemberg relembrou a infância do próprio Otávio que finalizou sua participação com um poema de Manuel Bandeira.
Em seguida, Chico Nascimento, participante assíduo da Ocupação durante o ano de 2009, mas que só pôde se fazer presente em 2010 nesta edição, fez também a sua participação recitando os versos de uma antiga música popular.
Um vídeo com a música Cinema Novo, interpretada por Caetano Veloso e Gilberto Gil homenageou o Dia do Cinema Brasileiro. E Araken Vaz Galvão assumiu o microfone prestando uma homenagem a sua filha cujo aniversário era naquela data. Questionou ainda a ausência de Juliano Britto nas Ocupações Culturais.
Maria Cláudia, acompanhada por Mateus Santana, interpretou Asa Branca, servindo de introdução para o Grupo Afro Filhos da Terra, da coreógrafa Célia Praesent, apresentar uma coreografia de Lampião e Maria Bonita caracterizados com roupas nordestinas.
Ainda em clima junino, Isabela Britto apresentou de sua autoria o texto “Dança”, onde finalizava com o seguinte conselho: - “Chame para dançar um parceiro disposto!”. Mas lembrando da copa do mundo, encerrou com sua participação com o poema “Brasileiro” de sua autoria.
Após os aplausos recebeu de sua mãe, “o mais novo ocupante”, seu filho Joaquim, cuja presença foi registrada por Araken Vaz Galvão.
Irene apresentou um texto de sua autoria. E Crisolêda emocionou a todos relembrando antigos festejos juninos cantando “Chegou a hora da fogueira” e contando histórias do seu tempo.
Pra finalizar, os irmãos Jamile e Henrique Menezes embalaram todos ao som do teclado e violão cantando forrós variados.
Na platéia estavam presentes, entre outros, o cronista Moacir Saraiva, o representante da SECULT, Plutarco Drumond, a coordenadora da DIREC 5, Luana Figueiredo, a cantora Day Lopes, os atores Artur Júnior e Geilson de Brito, o dançarino Tiago Mascarenhas, Euzedir e funcionários do Centro de Cultura.

Um comentário:

  1. Ocupação Cutural é a mais importante iniciativa visando levar arte ao grande público. Talvez a mais importante do Estado da Bahia. Adriano e sua trupe de jovens entusiastas (alguns nem tão jovens...)estão marcando época.
    Estive no forró dos artistas, estava lindo.
    A. Vaz Galvão

    ResponderExcluir